O Relatório Nacional Neerlandês já está disponível

Em 2019, 10.513.900 indivíduos nos Países Baixos foram relatados como vivendo com deficiências crónicas ou de longo prazo, constituindo 61,3% da população total. No grupo etário dos 15 aos 65 anos, 6 229 100 pessoas, o equivalente a 55,8 % deste grupo demográfico, referiram ter alguma forma de deficiência. A maioria das pessoas afetadas (89%) lutou com deficiências motoras, sendo as deficiências sensoriais a segunda mais prevalente (20%).

O ano de 2019 também testemunhou aproximadamente 5 milhões de mantelzorgers (cuidadores/as informais) nos Países Baixos. Entre estes/as cuidadores/as, 830 000 prestavam cuidados classificados como de longa duração (mais de 3 meses) e intensivos (mais de 8 horas por semana). Curiosamente, apenas um quarto destes/as prestadores/as de cuidados informais se identificou como tal, ao passo que um número substancial de 460 000 cuidadores/as informais expressou sentimentos de grande pressão.

A maioria dos/as cuidadores/as informais é do sexo feminino, com 65 anos ou mais e uma parte significativa presta cuidados aos seus progenitores. O número de cuidadores/as informais aumenta com a idade, uma vez que os indivíduos mais velhos são mais susceptíveis de se encontrarem na posição de prestadores/as de cuidados dos seus familiares e/ou parceiros/as mais velhos.

Apenas 29% dos/as cuidadores/as informais utilizaram qualquer forma de apoio à prestação de cuidados. Embora a informação e o aconselhamento tenham sido as formas de apoio mais frequentemente recebidas, houve uma lacuna notável na assistência material e financeira, que muitos indicaram ser necessária mas não recebida. Desde 2015, o apoio à prestação de cuidados tem sido organizado e financiado pelos municípios. No entanto, devido a restrições orçamentais, muitas cidades têm tido dificuldade em cumprir as expectativas estabelecidas neste domínio. Além disso, existe uma falta de sensibilização para as medidas de apoio disponíveis, especialmente entre os/as cuidadores/as com antecedentes migratórios não ocidentais e os/as que sofrem de sobrecarga grave. Consequentemente, há uma necessidade premente de reforçar os esforços de comunicação e de se envolver proactivamente com estes grupos vulneráveis.

O Relatório Nacional fornece um retrato abrangente do panorama dos serviços de cuidados informais e dos/as prestadores/as de cuidados nos Países Baixos para indivíduos com idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos. Descreve as necessidades e os desafios enfrentados pelo grupo-alvo do YoungCare, ao mesmo tempo que oferece apoio prático e exemplos de boas práticas. O relatório também inclui a análise de entrevistas envolvendo seis indivíduos com necessidades de cuidados e quatro prestadores/as de cuidados, sendo que duas pessoas assumiram papéis duplos como cuidadores/as e recetores/as de cuidados. Além disso, foram realizadas três entrevistas com especialistas no domínio social, sendo que uma das pessoas tem necessidades de cuidados, enquanto as outras duas prestam cuidados informais aos seus filhos e filhas.

Organizações parceiras da Alemanha, Itália, Lituânia, Países Baixos e Portugal colaboram para informar sobre a situação frequentemente precária dos/as jovens adultos/as que necessitam de cuidados e das pessoas que se dedicam a cuidar deles/as.

Para aprofundar o conteúdo abrangente do relatório nacional neerlandês, visite: https://youngcare.eu/wp-content/uploads/2023/12/YoungCare_NationalReport_Netherlands_Final.pdf

Scroll to Top