Saiba mais no Relatório Nacional Italiano

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística em Itália (ISTAT), em 2019 foram identificadas 3,150 milhões de pessoas com deficiência, constituindo 5,2% da população. Quase um milhão e meio de indivíduos com mais de 75 anos, que representam 22% desse grupo etário, possuem pelo menos uma deficiência, sendo que um milhão deles são mulheres. A “geografia da deficiência” coloca as ilhas na linha da frente, com uma prevalência de 6,5%, contra 4,5% no Noroeste. Entre as regiões onde o fenómeno está mais difundido, contam-se a Úmbria e a Sardenha, com 6,9% e 7,9% da população, respetivamente. Por outro lado, a Lombardia e o Trentino Alto Adige apresentam as prevalências mais baixas, com 4,1% e 3,8%, respetivamente.

Os recursos necessários para que as famílias cumpram o papel de amortecedor social não são apenas económicos, mas também relacionais. De facto, 32,4% das famílias com pelo menos uma pessoa com deficiência recebem apoio de redes informais, quase o dobro da percentagem do número total de famílias (16,8%). O apoio prestado por estas redes engloba assistência pessoal, acompanhamento e acolhimento, bem como ajuda nas atividades domésticas, cumprimento de procedimentos burocráticos e serviços de saúde.

De acordo com os dados publicados em 2018 pelo ISTAT, mais de 7 milhões de pessoas italianas (cerca de 15% da população) estão envolvidas em cuidados informais. A maioria destes/as prestadores/as de cuidados tem mais de 50 anos, sendo que um/a em cada cinco tem mais de 60 anos. Estas pessoas assumem tarefas diárias de prestação de cuidados, que envolvem um compromisso físico e emocional, e fazem sacrifícios em termos de renúncias pessoais, de tempo e de opções de vida.

O Relatório Nacional fornece uma visão geral do panorama dos serviços de cuidados informais e dos/as cuidadores/as informais em Itália para indivíduos com idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos. Delineia as necessidades e os desafios enfrentados pelo grupo-alvo do YoungCare, ao mesmo tempo que oferece apoio prático e exemplos de boas práticas. As organizações parceiras da Alemanha, Itália, Lituânia, Países Baixos e Portugal têm como objetivo esclarecer a situação frequentemente precária dos/as jovens adultos/as que necessitam de cuidados e das pessoas que cuidam deles/as. O relatório apresenta também a análise de entrevistas com 8 pessoas, incluindo 5 adultos/as com deficiência adquirida, 1 pessoa com deficiência de nascença, 1 cuidador informal e 1 especialista institucional, sendo que a maioria dos/as cuidadores/as entrevistados/as são familiares.

Para aprofundar o conteúdo completo do Relatório Nacional, visite: https://youngcare.eu/wp-content/uploads/2023/12/YoungCare_NationalReport_Italy_final.pdf.

Scroll to Top